segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Um momento especial no HUSE


Um momento especial do Grupo Prosarte no HUSE (Hospital  de Urgência  de  Sergipe) é a interação de musicas de domínio popular com todos os participantes: crianças,acompanhantes e o profissional da área.
Desde as primeiras experiências de incluir a música infantil com a arte de contar histórias percebemos  que havia uma resposta positiva a respeito dessa atividade onde todos se dinamizavam ,se identificavam e se engajavam estimulando a mente,o corpo,a voz e a escuta.
Realmente concordo  com a opinião popular quando diz que musica é a  arte universal  e parafraseando a cantora Simony  “Quem não gosta de música (De samba), bom sujeito não é, é ruim da cabeça ou doente do pé.”
Músicas que apresentamos que serve como dica para o momento de introdução na hora da contação de histórias:
Atirei o pau no gato
O sapo não lava o pé
O cravo brigou com a Rosa
Escravo de Jó
Terezinha de Jesus
Linda Rosa Juvenil
A canoa virou
Ciranda,cirandinha
E a que faz mais sucesso e participação total com gestos e ritmos:
“Meu pintinho amarelinho
Cabe aqui na minha mão (na minha mão).
Quando quer comer bichinhos,
Com seus pezinhos ele cisca o chão.
Ele bate as asas, ele faz "piu-piu!",
Mas tem muito medo é do gavião.”






sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Espertos esses animais!


Dezessete dias de cuidados com Max e já estou hiper...super, mega cansada...
Há trinta anos atrás a minha vó Julia tinha um gato, um cão, um papagaio e um periquito,cuidava muito bem de todos,mas naquela época os animais não sabiam que podiam ser tratados como gente e hoje eles sabem...E antes era tudo mais fácil...Cachorro era cachorro e gente era gente.
Acredito que algum defensor dos animais incutiu na mente deles que eles eram filhos de Deus e assim deveriam ser tratados como tal. Espertos esses animais quando acreditaram que mereciam o melhor.
O ruim seria lhes tivessem induzidos a pensarem como ratos. Coittados! Ao invés de estarem em caminhas, colchonetes, tendo bolos e festas, eles estariam sendo as cobaias preferidas dos laboratórios. Isso mesmo, pensar como rato vira rato e quem pensa que é melhor do que um rato com certeza será tratado como tal,assim nos ensina a filosofia do pensamento positivo e do Sucesso “Se você pensa que é um derrotado, você será derrotado. Se não pensar “quero a qualquer custo!” Não conseguirá nada.”
E para acrescentar a minha reflexão,nós humanos, podíamos seguir esse maravilhoso ensinamento valorizando a nossa vida e não deixarmos sermos tratados como os ratos.E acredito que os políticos pensam que somos ratos...
E viva os animais que conquistaram seu espaço social e médico para garantir uma boa estadia neste breve planeta e ainda conquistaram o excelente titulo de “Melhor Amigo do Homem”!
Hulalá!!!!

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Somos todos contadores de histórias

O Fantástico Mundo da Arte de Contar Histórias está à venda nas livrarias:
Dom Bosco, Escariz e Shopping  do Estudante.
Agradeço de coração a todos que valorizam e incentivam o meu trabalho.
Deus nos abençoe!



O caldeirão do ódio


quinta-feira, 19 de maio de 2016

O Fantástico Mundo da Arte de Contar Histórias-Lançamento

Apesar da chuva o  lançamento aconteceu no dia 15 de maio no Parque da Sementeira com o apoio de amigos contadores de histórias e amigos íntimos. Foi lindo,interativo e criativo do jeito que a nossa arte nos permite. Viva o livro e a arte de contar histórias!

 Presença de : Betânia Aragão,Tom,Nailde Santana,Cristiano Gomes,Adilma Pinto e Gilda Costa

O Fantástico Mundo da Arte de Contar histórias

O livro “O Fantástico Mundo da Arte de Contar Histórias” surgiu da necessidade de partilhar com todos que apreciam essa arte um pouco da minha história e também do meu trabalho com o Grupo Hannah e Prosarte e da minha experiência no HUSE (Hospital de Urgência de Sergipe).
O livro está bastante interessante com dicas de histórias maravilhosas, como a história do Compadre Besta e o Compadre Sabido que me foi contada por minha mãe e que até hoje não vi e nem li em lugar nenhum e que agora vai fazer parte do repertório de vários contadores de histórias e professores.
Quem quiser apreciar o livro estará à venda na Livraria Dom Bosco e Escariz.
Um pouco do contexto do livro:
“... É importante lembrar que existem histórias que podem ser adaptadas para qualquer idade, como é o caso da “Vaidosa Lolita” ou da “Dona Baratinha”, da “Eu tropeço e não desisto” e, de minha autoria “Sementinha de Abóbora”. Isso você vai descobrindo com a sua experiência e a receptividade do público em relação à história contada.
Dicas do contador de histórias Rogério Bellini (Paulinas) para começar e concluir histórias. Tive a honra de participar de um curso oferecido pela Biblioteca Clodomir Silva, que tinha Bellini como ministrante, foi excelente.
EXPRESSÕES QUE ATRAEM A ATENÇÃO
Era uma vez...
Vivia, séculos atrás, uma comunidade de cristãos... Havia, uma vez...
Contam que...
Conta-se que, antigamente...
No tempo em que os animais falavam... Naquele tempo...

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

EU NÃO PEDI PARA NASCER MAMÃE…

EU NÃO PEDI PARA NASCER MAMÃE…


Certa vez uma mãe já bastante doente e cansada pressentindo que suas forças estavam no fim, falou para seu filho, de 35 anos que nunca havia trabalhado e era sustentado por ela.
– Filho procure um trabalho para que você tenha como sobreviver depois que eu me for definitivamente.
– Mamãe a senhora vai ter que me sustentar o resto de sua vida, porque eu não pedi para nascer – disse ele sorrindo ironicamente.
A mãe já bastante cansada e decepcionada com a resposta do filho disse:
– As flores não pediram para nascer, mesmo assim doam sua beleza e seus perfumes ao mundo, em troca de nada. As árvores doam frutos e sombra para alimentar e descanso de quem assim precisar.
– Nós seres  vivos “racionais” não pedimos para nascer meu filho, mas, por sermos humanos podemos trabalhar e estudar para vir a ajudar a construir um mundo melhor.
– Se você não tem capacidade para ajudar a construir um mundo melhor, pelo menos procure ajudar a você mesmo. Se não tem competência de fazer para sí, que é o mínimo, siga o exemplo de alguns seres irracionais como os elefantes, que quando não aguentam acompanhar a manada, por estarem  feridos ou muito velhos, se recolhem sozinhos para um lugar afastado e morrem, sem ser um peso para os demais.
– Filho reflita sobre isso e procure reagir positivamente pois você não está ferido nem velho. Quanto a mim, estou me afastando da manada. Boa sorte.
Autor desconhecido